HORÁRIO 23/10 – SEG 24/10 – TER. 25/10 – QUA. 26/10 – QUI. 27/10 – SEX.
10:00 – 10:30 Mini-curso 1: Marco Moriconi Relatividade (1) Mini-curso 1: Marco Moriconi Relatividade (2) Mini-curso 3: Raíssa Mendes Ondas Gravitacionais (1) Mini-curso 4: Roberto Muniz Magnetismo (2)
10:30 – 11:30 Colóquio 4: Nivaldo Lemos Cosmologia
11:30 – 14:00 ALMOÇO
14:00 – 15:30 Mini-curso 2: Daniele Freitas Novos Materiais (1) Mini-curso 2: Daniele Freitas Novos Materiais (2) Mini-curso 4: Roberto Muniz Magnetismo (1) Mini-curso 3: Raíssa Mendes Ondas Gravitacionais (2) Visita à laboratórios & Casa da descoberta
15:30 – 16:00 CAFÉ Café & Poster
16:00 – 17:00 Apresentação de alunos
16:00 – 16:20 ALUNO 1 16:00 – 16:20 ALUNO 4 16:00 – 16:20 ALUNO 7
16:20 – 16:40 ALUNO 2 16:20 – 16:40 ALUNO 5 16:20 – 16:40 ALUNO 8
16:40 – 17:00 ALUNO 3 16:40 – 17:00 ALUNO 6 16:40 – 17:00 ALUNO 9
17:00 – 18:00 Colóquio 1: Jorge Sá Martins Ensino de Física Colóquio 2: Ladário da Silva Física Forense Colóquio 3: Bruno Mota Física Médica e Neurociência

 

 

MIni-curso 1: Relatividade

prof. Dr. Marco Moriconi

AGUARDANDO RESUMO

 

Mini-curso 2: Novos Materiais: síntese e caracterização estrutural

profa. Dra. Daniele Freitas

O estudo de materiais é uma área fascinante. Muitos dos problemas enfrentados atualmente do ponto de vista científico e tecnológico são devido às limitações dos materiais que estão disponíveis no momento, e, como  resultado, os avanços neste campo são susceptíveis de ter um impacto significativo sobre o futuro da sociedade. Neste mini-curso discutiremos a síntese de novos materiais e a sua caracterização estrutural usando difração de raios X. Uma introdução sobre essa ferramenta poderosa será realizada. Trata-se de uma técnica multidisciplinar usada como primeira caracterização de um dado material. A técnica consiste em incidir um feixe de raios x em um material cristalino, e analisar o padrão de interferência construtiva causado pelo espaçamento do arranjo periódico dos átomos no cristal. Entre suas aplicações podemos destacar análise quantitativa de fases,  determinação estrutural com identificação das posições atômicas e composição química, entre outras. Por fim serão abordadas algumas características de materiais de baixa dimensionalidade do tipo oxiboratos.

 

Mini-curso 3: Ondas gravitacionais: uma nova janela para a observação do Universo

profa. Dra. Raissa Mendes

Uma das principais predições da teoria da Relatividade Geral é a existência de soluções ondulatórias para o campo gravitacional. Essas ondas gravitacionais, geradas abundantemente por sistemas massivos variando rapidamente com o tempo, se propagariam desimpedidas como distorções no espaço-tempo. Embora sua existência tenha sido predita teoricamente por Einstein já em 1916, por muito tempo se duvidou de que a radiação gravitacional pudesse ser de fato detectada, já que sua influência sobre a matéria seria mínima. A primeira evidência de seus efeitos foi obtida pela análise da radiação eletromagnética advinda de sistemas binários contendo pulsares, em particular no sistema binário de Hulse-Taylor, descoberto em 1974. Em 2016, a colaboração do LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) anunciou a primeira detecção direta de ondas gravitacionais, feita em 14 de setembro de 2015, cuja análise revelou serem advindas da fusão de dois buracos negros de aproximadamente 30 vezes a massa do Sol. Essa detecção, que foi seguida por outras duas, abriu uma nova era para a observação e o entendimento do Universo, em que poderemos obter informações sobre  sistemas praticamente invisíveis na janela eletromagnética e testar teorias gravitacionais em um regime extremo, nunca antes explorado. Neste mini-curso, vamos abordar esse tema fascinante, respondendo a três questões principais:

  1. Como ondas gravitacionais são detectadas? Vamos discutir como uma onda gravitacional afeta pequenas massas, distorce distâncias e os princípios básicos do funcionamento de detectores interferométricos como o LIGO.
  2. Como ondas gravitacionais são produzidas? Vamos mostrar que ondas gravitacionais são geradas, primariamente, pela variação do momento de quadrupolo de objetos massivos. Vamos discutir os processos astrofísicos que dariam origem a sinais mensuráveis e os eventos já detectados pelo LIGO.
  3. O que podemos aprender a partir da detecção de ondas gravitacionais? Vamos enfatizar implicações para a física de buracos negros (como testes de teoremas de "no-hair"; e mecanismos astrofísicos de formação de buracos negros) e estrelas de nêutrons (em especial, consequências para sua composição microscópica), além de testes da  Relatividade Geral. Se houver tempo, vamos discutir também como ondas gravitacionais podem nos informar sobre o universo primordial, e possíveis modificações quânticas à  gravitação na escala do horizonte de eventos.

O mini-curso tem como pré-requisito noções básicas de Relatividade Geral, mas uma fração será mais informativa e acessível.

 

Mini-curso 4: Magnetismo

prof. Dr. Roberto Muniz

AGUARDANDO RESUMO

 

 

Colóquio 1: TÍTULO A SER INFORMADO

prof. Dr. Jorge Sá Martins

AGUARDANDO RESUMO

 

Colóquio 2: TÍTULO A SER INFORMADO

prof. Dr. Ladário da Silva

AGUARDANDO RESUMO

 

Colóquio 3: TÍTULO A SER INFORMADO

prof. Dr. Bruno Mota

AGUARDANDO RESUMO

 

Colóquio 4: O UNIVERSO: PRESENTE, PASSADO  E FUTURO

prof. Dr. Nivaldo Lemos

Após um breve descrição da estrutura  e da escala de distâncias do Universo atual, faz-se uma síntese da origem histórica da noção de universo em expansão tanto em seus aspectos teóricos quanto observacionais. São formulados os modelos mais simples da cosmologia relativística. Discutem-se alguns problemas dos modelos cosmológicos  tradicionais e como o modelo inflacionário é capaz de resolvê-los. São revistas as evidências observacionais de que o Universo encontra-se em expansão acelerada e é apresentado o modelo cosmológico  mais aceito no presente momento, que incorpora a expansão acelerada. Finalmente, são  discutidos os dois maiores enigmas da  cosmologia contemporânea: a matéria e a energia escuras.